Faculdade Murialdo

Senegaleses e haitianos visitam Faculdade Murialdo

Um grupo de cerca de 30 imigrantes de Caxias do Sul, entre senegaleses e haitianos, realizou, na noite desta segunda-feira, uma visita à Faculdade Murialdo. Eles foram recepcionados pelo diretor acadêmico professor Ir. Pedro Paulo da Silva, a coordenadora acadêmico-pedagógica professora Roberta Lopes Augustin, a secretária scadêmica Verônica Baldasso Mantovani e a professora Juliana Rossa, que também é pesquisadora da temática migratória.

“Estamos muito felizes em recebê-los em nossa instituição, vocês que são nossos irmãos africanos. Nossa Congregação do Murialdo está presente em quatro países da África: Serra Leoa, Guiné Bissau, Gana e Nigéria”, falou o professor Ir. Pedro.

Desde o mês de agosto, esses imigrantes estavam frequentando aulas de língua portuguesa nas dependências da Paróquia Murialdo. A partir da próxima semana, as aulas, às segundas-feiras à noite, ocorrerão em três salas de aula da Faculdade Murialdo.

Essa ação é uma parceria da FAMUR com o Coletivo Ser Legal, que vai se responsabilizar pelas aulas por meio de professoras voluntárias integrantes do grupo.

Após a visita, os imigrantes participaram de uma aula especial com os acadêmicos da disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica, ministrada pela professora Juliana, com a realização de entrevista qualitativa aos senegaleses e haitianos. Eles contaram suas histórias, sonhos e decepções.

Emocionado e sensibilizado, o estudante de Agronegócio, Everton Piroli Tonello afirma que ficou evidente na fala dos imigrantes, que todos vieram em busca de trabalho, da realização dos sonhos e de condições dignas para viver. “Longe da família e marcados pela saudade, senegaleses e haitianos enfrentam dificuldades e preconceitos. Chamou-me a atenção, a alegria e o sorriso fácil estampados no rosto de cada um. Por outro lado, não tenho nenhuma dúvida que é na troca que a gente aprende e vê o quanto precisamos evoluir para sermos uma sociedade que realmente respeita o ser humano, independente da raça, cor, religião, condição social”, ressaltou Everton.

A Faculdade Murialdo, com ações como essas, afirma seu papel de responsabilidade social. “Esse é um projeto que está em construção, e queremos realizar diversas outras ações envolvendo nossos alunos e a comunidade migrante. Esse é o único caminho, o do desenvolvimento social, por meio da alteridade, do respeito e da diversidade”, afirmou a professora Roberta.

Sobre o coletivo Ser Legal:

O coletivo Ser Legal nasceu de campanha Senegal, Ser Negão, Ser Legal iniciada pelo senegalês Cheikh Mbacke Gueye (Cher) no ano de 2015. A partir deste mês de maio deste ano, a ideia transformou-se em um coletivo, com a participação de professores, jornalistas, músicos e outros profissionais de Caxias do Sul. O objetivo é pensar e organizar ações que possam contribuir para uma melhor inserção, em Caxias do Sul e região, dos imigrantes que vêm de outros países, além de diminuir o preconceito.

Facebook: https://www.facebook.com/Senegal-Ser-Neg%C3%A3o-Ser-Legal-758150887628188/?fref=ts 

 

Fotos: Juliana Rossa e Roberta Lopes Augustin

 

 

Imprimir Notícia