Faculdade Murialdo

Saúde do homem por meio de um enfoque psicológico marcou bate-papo alusivo ao Novembro Azul

Na noite da última quarta-feira, 13 de novembro, a Faculdade Murialdo (FAMUR), por meio do curso de Psicologia, recebeu a profissional Eliane Maria Lume para um bate-papo sobre “A Saúde do Homem: Um Enfoque Psicológico”. A palestra que ocorreu no Miniauditório II, da Unidade Sede, reuniu acadêmicos e comunidade. O encontro buscou propiciar um espaço para reflexões sobre a temática da saúde do homem. Além de abordar a relevância deste aspecto na vida de cada indivíduo, auxiliando os participantes a desenvolver a autopercepção e autocuidado.

 

Eliane destacou que enfrentar a doença é uma possibilidade para todos, pois é uma oportunidade para que o indivíduo consiga abrir realmente os olhos ao que esta situação está querendo dizer. “A dica é ressignificar valores, dores e as crises existenciais que entramos no dia a dia. Não devemos fugir e deixar de falar dos sentimentos que doem, temos que colocar isso para fora. O homem tem muito disso, ele não gosta de discutir a relação com a vida, mas ela é fundamental para resgatar o que se tem de potencial”, enfatiza a profissional, que possui uma experiência de 12 anos com psicologia hospitalar e clínica. Ela ainda ressalta que é importante as pessoas fazerem uma reflexão de seus atos e de qual o propósito na vida. Atitude que faz toda a diferença quando se é acometido por uma doença. “Somos seres especiais em uma experiência humana, o nosso corpo fala e se eu conseguir ouvir e me colocar de outra forma no mundo vai fazer uma transformação”, evidencia.        

 

Para a coordenadora do curso de Psicologia da FAMUR, Professora Dra. Gênesis Sobrosa, eventos como este são raros, pois quando se fala em doença sempre é destacado quem já está adoecido, não salienta-se o que poderia ter acontecido antes do adoecimento, o não adoecer. “Hoje estamos falando de estratégias para a prevenção que vem ao encontro do Novembro Azul, mês dedicado a saúde do homem, ligada especialmente ao câncer de próstata, que é uma questão que possui um tabu muito grande por causa do exame de toque. Muitas destas questões poderiam ser resolvidas antes de chegar ao hospital, com conversa, reflexão e conhecimento”, comenta.  

 

Sobre Eliane:

Graduada em Psicologia (Universidade de Caxias do Sul); Pós-Graduada em Psicologia Hospitalar (Hospital Moinhos de Vento); Formação em Psicossomática (Centro de Estudos Avançados em Medicina e Psicologia); Formação em Gestalt-Terapia (Centro de Estudos Avançados em Medicina e Psicologia); e Especialista em Psicologia Hospitalar (Conselho Federal de Psicologia).

 

Fotos: Eduardo Rodrigues

Imprimir Notícia