Faculdade Murialdo

FAMUR lança Programa de Educação Ambiental

A Faculdade Murialdo (FAMUR), na noite desta terça-feira, 17 de outubro, iniciou o Programa de Educação Ambiental, com a palestra “Tampinha Legal” e o Mova – Oficina Solidária de Confecção dos Andadores Infantis de Praia em Canos de PVC. A iniciativa buscou desenvolver a sensibilização e a conscientização ambiental no espaço acadêmico.

O projeto apresentou a importância da arrecadação de tampinhas de plástico (de refrigerante, higiene pessoal, doméstica, remédios, produtos alimentícios, etc.) para a construção de adaptadores e de cadeiras de rodas às crianças deficientes.

Para a coordenadora do programa, professora Ma. Karen Caon, o projeto alia o tema da sustentabilidade com a responsabilidade social – princípios da Instituição -, por meio da inclusão, ajudando o meio ambiente e as pessoas. “O engajamento dos acadêmicos, tanto na palestra quanto na oficina mostra que a sustentabilidade é uma questão de sobrevivência”, afirmou. De acordo com a acadêmica de Pedagogia Sueli Catani Rech, as atividades foram bem interessantes. “Aprendemos que uma tampinha de plástico pode ser importante na vida de uma pessoa e, às vezes, não damos o real valor, descartando, inclusive, no meio ambiente e de forma incorreta. Descobri a importância de termos consciência quanto ao meio ambiente e a valorização da vida”, destacou.

O Programa de Educação Ambiental tem mais atividades nesta quarta-feira, 18 de outubro. A inscrição para o evento é a doação de 20 tampinhas ou uma contribuição espontânea. O coletor de tampinhas está disponível na recepção da Unidade Sede.

 

Confira a programação

 

Data: 18 de outubro

Palestra I: Abertura do projeto Tampinha Legal | Das 19h15min às 20h

Palestra II: Abertura do projeto Tampinha Legal | Das 20h20min às 21h

Ministrante: Coordenadora do projeto “Tampinha Legal”, Simara Souza

Local: Sala 307 da Unidade Sede

 

Tampinha Legal: é uma ação socioambiental de caráter educacional, lançada pelo CBP – Congresso Brasileiro do Plástico, e, em outubro, completa um ano de atividades. Os resultados obtidos desde o seu lançamento demonstram a importância do programa por meio da coleta de tampas plásticas em 150 cidades do Rio Grande do Sul, somando mais de 500 pontos de coleta. Além disso, o Tampinha Legal já ganha força em outros estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. “É uma iniciativa que iniciou tímida há um ano, mas cresce rapidamente. De forma simples, um material nobre que poderia ser descartado incorretamente, se transforma em recursos financeiros. A natureza agradece e a indústria do plástico mostra o valor da economia circular”, ressalta o presidente do CBP, Alfredo Schmitt.

 

Oficina Solidária: confecção de andadores infantis em canos de PVC. Os protótipos dos andadores ficaram disponíveis para empréstimo aos veranistas em 10 cidades do litoral gaúcho nas casas do SESC. A ideia também é propor a distribuição de alguns exemplares na Instituição.

 

Fotos: Marco Antônio Tessari

Imprimir Notícia