Faculdade Murialdo

Animais Silvestres: a medicina veterinária na conservação da biodiversidade

A importância da preservação dos animais tem sido cada vez mais discutida na atualidade. Com o aumento da preocupação com o meio ambiente e com os impactos da ação do homem na natureza, os estudos têm apontado que as consequências das extinções prematuras de espécies incidem diretamente sobre seus habitats e sobre a qualidade de vida das populações. A ação do homem, por meio da poluição, do desmatamento de habitats nativos, da introdução de espécies exóticas e até mesmo pela caça e comércio de animais silvestres, tem causado desequilíbrios nos biomas.

De acordo com a Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais) Artigo 29, Parágrafo 3º, a definição de animais silvestres é: “são espécimes da fauna silvestre todos aqueles pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham todo ou parte de seu ciclo de vida ocorrendo dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais brasileiras”.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil abriga a maior biodiversidade do planeta. O país contabiliza cerca de 20% do número total de espécies da Terra. Mas um grande problema avança no mundo inteiro: essa biodiversidade do planeta vem diminuindo num ritmo alarmante. De acordo com um relatório do The Living Planet Report 2016 (Planeta Vivo, em tradução livre), divulgado a cada dois anos pela Zoological Society of London (ZSL) e da organização ambiental WWF, a população de animais silvestres caiu 58% desde 1970.

Pensando na linha da medicina veterinária que trata da conservação de animais silvestres, a professora da Faculdade Murialdo (FAMUR) Miuriel Goulart participou em Curitiba (PR), no mês de outubro, do XXVI Encontro da ABRAVAS. O congresso tratou da temática: “A medicina veterinária na conservação da biodiversidade”. Durante o evento, ela envolveu-se em diversas palestras e workshops sobre o manejo, o cuidado e a preservação dos animais silvestres.

Miuriel destacou que o congresso é uma ferramenta enriquecedora de conhecimentos. “O encontro nos ajuda a ampliar a visão, é uma boa troca de experiências. Temos a vivência de todos os colegas médicos veterinários que trabalham nas mais diferentes áreas, pois o Brasil conta com mais de 20 mil espécies de animais silvestres”, contou.

Mas como entender a diferença entre animais silvestres e animais domésticos? A professora explica que silvestres são animais que vivem em vida livre. Já os domésticos são os que vivem junto aos seres humanos.

Assim, os animais silvestres não são animais para se ter em casa, eles são protegidos por lei como explica Miuriel. A única exceção a isso, é quando esse animal é criado em um cativeiro comercial autorizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Dessa forma, quando as pessoas compram esse animal autorizado, com ele vem uma autorização e nota fiscal.

Por ser rico em biodiversidade, o Brasil enfrenta diversos problemas com o tráfico ilegal de animais silvestres. De acordo com a professora Miuriel, o tráfico de animais é o terceiro maior do mundo, só perde para o de pessoas e armas. Ela ainda destaca que o Brasil também esbarra em problemas com a fiscalização, pela vastidão do país e falta de investimento. “Isso facilita o processo para o tráfico dos animais e torna o nosso país um alvo fácil”.

Pensando nesses fatores, a professora ressalta a importância da medicina veterinária voltada aos animais silvestres. “A atuação do médico veterinário nunca é sozinha, ele trabalha com uma equipe multidisciplinar, desde o biólogo ao engenheiro florestal, nas mais diversas áreas para a conservação desses animais”, afirmou.

Recentemente a FAMUR, sob coordenação da professora Miuriel Goulart, iniciou o Grupo de Estudos em Animais Silvestres (GEAS), com o objetivo de conhecer os animais silvestres e sua importância para a manutenção da biodiversidade.

Ficou interessado? A FAMUR está com as inscrições abertas para o Processo Seletivo Extravestibular 2018/1. Interessados devem se inscrever na Unidade Sede, localizada na Rua Marquês do Herval, 701 | Centro | Caxias do Sul (RS), das 8h às 21h30min.

 

MIURIEL GOULART: Médica Veterinária, professora do curso de Graduação em Medicina Veterinária da Faculdade Murialdo (Caxias do Sul/RS), é doutoranda em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); mestre em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) (2014-2015); pós-graduada em Acupuntura Veterinária e Medicina Tradicional Chinesa pelo Instituto Equilibrium (2013-2015); possui Residência em Clínica e Cirurgia de Animais Silvestres pela UFRGS (2012-2014). É graduada em Medicina Veterinária pela UFRGS (2011); foi estagiária curricular do Hospital Veterinário do Bioparque Temaikèn (Argentina, 2011); estagiária voluntária do PRESERVAS - Núcleo de Conservação e Reabilitação de Animais Silvestres da UFRGS (2008-2011); bolsista do Setor de Patologia Veterinária da UFRGS (2009-2010); possui experiência na área de Manejo, Clínica, Cirurgia, Conservação e Reabilitação de Animais Silvestres, Animais Marinhos e Pets Exóticos.

Imprimir Notícia