Faculdade Murialdo

“50 Anos da Pedagogia do Oprimido – a obra de Paulo Freire”: reflexão e inspiração

A Faculdade Murialdo (FAMUR), por meio do curso de graduação em Pedagogia, realizou o encerramento das comemorações dos “50 Anos da Pedagogia do Oprimido – a obra de Paulo Freire”, na noite desta quarta-feira, 7 de novembro. A atividade ocorreu no Miniauditório II da Unidade Sede (Marquês do Herval, 701).

 

O evento contou com as palestras “A prática educativa através da Pedagogia do Oprimido” e “Paulo Freire: Método ou Concepção de uma metodologia crítica?”, com a professora Rosimara Carvalho e o professor Marcelo Caon, respectivamente. Durante as atividades, os estudantes puderam debater as principais ideias, o contexto histórico, a metodologia e a importância dos ensinamentos do escritor-educador-pedagogo.

 

Para o organizador do evento, professor Marcelo Caon, as atividades alusivas aos 50 anos da obra de Paulo Freire “Pedagogia do Oprimido” marcaram quem participou. “Foram momentos de reflexão e celebração de um dos livros mais famosos do autor. Além disso, a participação dos estudantes foi fantástica”, afirma.  De acordo com a acadêmica de Pedagogia, Elisabete Schardosim, as comemorações dos “50 Anos da Pedagogia do Oprimido – a obra de Paulo Freire”, foi de grande valia para todos os estudantes. “Precisamos pensar a nossa prática e Paulo Frteire é um inspirador e defensor da educação”, avalia.

 

“PEDAGOGIA DO OPRIMIDO”: Paulo Freire estava no exílio no Chile, em 1968, trabalhando no Instituto Chileno para a Reforma Agrária (ICIRA), quando lançou a obra “Pedagogia do Oprimido”. O livro viria a ser a grande obra da vida do educador e pensador, traduzido para diversas línguas e revelando a gênese do pensamento freiriano ao esmiuçar as relações entre opressores e oprimidos e, a partir daí, sugerir a emancipação do indivíduo por meio do pensamento crítico e libertário.

Paulo Freire é patrono da Educação Brasileira, doutor honoris causa por 27 universidades, seu trabalho é considerado "Patrimônio Documental da Humanidade" pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

Fotos: Divulgação

Imprimir Notícia